Guardar dinheiro significa ter segurança para enfrentar o futuro. Com uma reserva financeira, você consegue sobreviver às crises e até investir em projetos mais ambiciosos. E sabe por onde começar? No Brasil, a caderneta de poupança continua sendo um dos investimentos mais tradicionais. Hoje vamos explicar por quê.

Siga conosco para conferir um pouco da história dessa aplicação. Saiba, também, quanto a grana investida costuma render e veja quem pode abrir uma conta poupança.

O que é a poupança?

A poupança é um tipo de aplicação financeira – ou seja, um lugar onde você pode juntar dinheiro e acumular juros. Ela foi instituída no país pelo imperador Dom Pedro II, junto com a criação da Caixa Econômica Federal, em 1861.

A partir dessa data, as pessoas podiam deixar seus rendimentos em local seguro, e não mais embaixo do colchão. Era uma maneira de estimular a população a ter uma reserva para os momentos de crise, ou mesmo para complementar a aposentadoria.

E aqui vai uma curiosidade: as anotações sobre o montante acumulado eram feitas em pequenos cadernos. Vem daí a nomenclatura “caderneta de poupança”, usada até hoje para se referir à conta.

Como a poupança funciona?

Quando o cliente do banco deposita dinheiro numa aplicação, essa quantia não fica parada lá. A instituição financeira pega a grana emprestada para viabilizar outras operações. Porém, depois de um tempo, o montante retorna com juros. É daí que vêm os rendimentos da poupança.

Para você, a pessoa que investe, a mecânica é bem simples: guardar o valor desejado. Então, só resta esperar um tempo para as cifras começarem a subir.

A remuneração ocorre mensalmente, no dia do mês em que o depósito foi feito. Esse é o chamado “aniversário” da poupança. Por tal motivo, não se recomenda resgatar o dinheiro antes do primeiro mês, senão os rendimentos não serão creditados. O melhor é deixar o dinheiro “repousando” pelo período mais longo possível.

Quem pode abrir uma poupança?

Qualquer pessoa pode abrir uma poupança. Você não precisa ter conta corrente em banco, nem pagar taxa, muito menos comprovar renda. Isso mesmo: a burocracia é mínima!

Basta dirigir-se à agência de sua escolha levando documento de identidade, CPF e comprovante de residência. Menores de idade também podem obter uma conta poupança em seu próprio nome, desde que estejam acompanhados de responsável adulto.

Quais são as vantagens da poupança?

A poupança se mostra muito popular porque não tem taxas de manutenção. Portanto, essa é a alternativa ideal para quem quer começar uma reserva financeira, mas ainda não adquiriu muita experiência com fundos de investimento ou outras opções pagas.

Uma segunda vantagem está na liquidez diária, isto é, na possibilidade de resgatar o dinheiro a qualquer momento. Vai que aconteça uma emergência e você precisa da grana, né? Em outras aplicações, o montante fica “retido” por uns meses até que a pessoa possa pegá-lo de volta, o que acaba limitando o uso dos recursos.

Por fim, vale lembrar que a caderneta de poupança é um investimento respaldado pelos Fundos Garantidores, uma espécie de seguro para proteger o dinheiro aplicado.


👉 Clique abaixo e confira nosso ebook sobre o assunto:


Quanto rende a poupança?

O rendimento da poupança é o mesmo em todas as instituições bancárias do Brasil. A taxa de juros foi fixada em lei e, embora tenha sofrido alterações ao longo da história, hoje segue as regras vigentes desde 2012.

Funciona da seguinte forma: se a Selic (taxa básica de juros) estiver acima de 8,5% ao ano, a poupança vai render 0,5% ao mês + TR (taxa referencial). Agora, quando a Selic ficar igual ou inferior a 8,5% ao ano, o rendimento será de 70% da taxa básica + TR.

A matemática assustou você? Então vamos a um resumo simplificado: os juros da poupança flutuam de acordo com a situação econômica do país. Também pesam no cálculo a quantidade de dinheiro depositada e o tempo desde quando a grana foi reservada. Quanto mais antigo for o investimento, mais rentável tende a ser o retorno.

Como manter uma poupança?

O hábito de poupar requer disciplina. Se você tem pouco controle sobre as despesas, observe com carinho estas dicas de educação financeira:

  • Anote em uma planilha todos os seus gastos;
  • Verifique se há supérfluos que possam ser cortados (assim, sobra mais dinheiro);
  • Com base no seu custo de vida e na sua renda, determine um valor mensal para investir na poupança;
  • Transfira essa quantia para a reserva assim que você receber o salário (faça de conta que é uma despesa obrigatória, como o boleto de água);
  • Se sobrar mais um tanto no fim do mês, guarde na poupança também!

A reserva de emergência deve ser equivalente a pelo menos seis meses do seu salário. Isso ajuda a segurar as pontas em caso de desemprego ou imprevistos.

Quer aprender tudo sobre finanças pessoais e aplicações para ampliar o patrimônio? Continue acompanhando o nosso portal de educação financeira. Traremos novidades em breve. Até a próxima!


👉🏼 Agora que você já sabe o que é a poupança e como ela funciona, que tal um desafio?