A inadimplência atingiu 24,8% das famílias brasileiras em janeiro, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Isso significa que um em cada quatro lares do país tem dívidas em atraso. E uma consequência desse comportamento é o nome sujo do consumidor, que impede compras no crediário e dificulta o acesso a empréstimos.

Chega de nome sujo! Veja 15 dicas para não acumular dívidas

Você também vem enfrentando dificuldades financeiras? Então preste atenção às dicas de hoje. Vamos mostrar o passo a passo para quem quer se livrar do endividamento para sempre. Acompanhe:

01. Conheça o valor total das dívidas

Primeiro reúna todos os boletos, carnês e faturas atrasadas. Faça uma lista de suas dívidas ativas e some os valores. Assim você terá uma noção mais realista do desafio e saberá por onde começar o processo de quitação dos débitos.

Não tenha medo de levar um susto. O choque de realidade faz bem.

02. Corte gastos supérfluos

Numa situação de superendividamento, não tem jeito de continuar no mesmo padrão de vida. Você deve economizar cada centavo. Dá para começar cortando os supérfluos, como aquela ida ao shopping no fim de semana, a pizza com os amigos ou a assinatura daquelas plataformas de vídeo e música por streaming.

03. Priorize as dívidas mais urgentes

Em geral, a gente dá preferência às dívidas mais caras. São as que têm juros altos, como ocorre com o cartão de crédito e o cheque especial. Porém, lembre-se de atender às suas necessidades imediatas. Se a conta de luz está atrasada, por exemplo, é melhor priorizá-la para não ficar sem energia em casa. Vai que cortem o serviço, né?

04. Negocie com os credores

Uma boa forma de limpar o nome sujo é reduzir as parcelas até valores que você consiga pagar. Como fazer isso? Negociando com os credores, claro!

As empresas têm interesse em receber o pagamento. Sendo assim, muitas delas oferecem flexibilidade para reparcelar quantias e até diminuir a taxa de juros.

05. Troque uma dívida cara por outra mais barata

Pode parecer contraintuitivo, mas funciona. Imagine que sua fatura do cartão chegou a R$ 15 mil e você não tem condições de pagar. Se possível, experimente tirar um empréstimo para quitar o valor à vista. Se os juros da financeira forem mais baixos que no crédito rotativo, a operação já se justifica.

06. Crie metas de orçamento

Metas são objetivos com prazos definidos. Elas nos motivam a seguir um planejamento e podem facilitar o caminho rumo ao sucesso.

No caso, estabeleça a missão de liquidar X dívidas num período de Y meses. A cada etapa vencida, você perceberá o progresso e ganhará mais ânimo para seguir até o fim, quase como num game.

Dica: Educação Financeira: aprenda a cuidar do seu dinheiro

07. Busque uma renda extra

Está com um tempinho sobrando? Que tal fazer artesanato, bolo no pote ou outro item que possa ser comercializado? A venda dos produtos pode trazer uma renda extra importante – tanto para cobrir as despesas fixas da casa quanto para eliminar as dívidas acumuladas. Numa dessas você consegue uma ocupação ainda mais lucrativa que seu emprego atual…

08. Fuja do cartão de crédito

Esse método de pagamento serve para compras grandes, como eletrodomésticos, móveis e outros artigos importantes que nem sempre dá para adquirir com dinheiro vivo. No entanto, quem está no vermelho deve deixá-lo de lado. Um eventual atraso no pagamento engorda a dívida rapidamente, devido aos juros elevados. Melhor comprar tudo no débito.

Dica: Compras on-line: 15 dicas para a sua segurança

09. Controle as despesas

Se você acompanha nosso blog, provavelmente já leu sobre a planilha financeira. Essa é uma ferramenta onde a pessoa anota todos os pagamentos do mês – contas fixas, supermercado, etc.

A ideia é que as entradas (renda familiar) sempre sejam maiores que as saídas (despesas). O recurso visual, com o registro dos números, melhora o controle e possibilita o monitoramento dos gastos.

10. Economize no dia a dia

Desligar a TV quando ninguém estiver na sala. Fechar a torneira aos escovar os dentes. Cozinhar em grande quantidade, uma única vez na semana, e armazenar porções de comida no congelador. 

Essas são atitudes para poupar energia, água e gás, respectivamente. Pequenos cuidados no dia a dia contribuem para reduzir bastante as contas do mês.

11. Pense bem antes de comprar

Quem está com nome sujo provavelmente fez escolhas ruins. Comprou por impulso, assumiu uma dívida ousada demais para seu salário e por aí vai.

Portanto, lembre-se de responder às seguintes perguntas antes de gastar seu dinheiro: Esse produto/serviço vai me fazer mais feliz? Realmente preciso disso para sobreviver? Tenho condições de pagar? Se houver resposta negativa, não compre.

12. Pesquise preços mais em conta

Agora, se a compra é essencial, ainda assim vale a pena aguardar um pouco. Compare preços em diferentes lojas e observe, também, as condições de pagamento. Aqui a ideia é escolher a opção mais em conta.

Ofertas são bem-vindas, mas cuidado com as pegadinhas. Às vezes um produto barato apresenta defeito ou está próximo da data de vencimento.

13. Pague à vista

Tem gente que compra até meia em dez vezes sem juros. O problema é que, de prestaçãozinha em prestaçãozinha, as dívidas vão crescendo. De repente fica impossível monitorar todos os gastos.

Para evitar confusão, prefira os pagamentos à vista. Se você não tiver dinheiro naquele momento, não compre. Simples assim.

14. Monte uma poupança

Logo que sobrar grana, junte pelo menos 10% de seu salário na poupança ou num fundo de renda fixa. Repita a operação todos os meses. Dessa maneira você poderá formar uma reserva de emergência. O valor cobre imprevistos, como conserto do carro quebrado, sem necessidade de recorrer a empréstimos (ou seja, contrair novas dívidas).

Dica: Poupança: o que é, como funciona e quais são os rendimentos

15. Invista

Após engordar a reserva de emergência com uma quantia equivalente a seis meses de seu salário, estude alternativas de investimento. Fundos do Tesouro Direto e aplicações de renda variável são alguns dos que oferecem rendimentos mais elevados no longo prazo. Sabendo diversificar a carteira, você terá um bom retorno e nunca mais vai se preocupar com endividamento.

Gostou? Esperamos que o conteúdo de hoje ajude você a limpar seu nome sujo. Para mais dicas de educação financeira, continue de olho no blog. Até a próxima!

1f449 1f3fc Agora que você já sabe como limpar seu nome e sair das dívidas, teste seus conhecimentos no jogo que preparamos abaixo: